• Home
  • /
  • Nota da AGES sobre reportagem veiculada no SPTV-1° edição de 04/06/2018 sobre a Corregedoria da GCM

Nota da AGES sobre reportagem veiculada no SPTV-1° edição de 04/06/2018 sobre a Corregedoria da GCM

Em matéria veiculada na última segunda-feira, 04 de junho, o SPTV, jornal de notícias locais do estado de São Paulo, transmitido pela Rede Globo de Televisão, em sua edição vespertina, exibiu matéria cujo tema era a suposta ineficácia por parte da Corregedoria da GCM em apurar possíveis casos de má conduta dos guardas municipais da GCM paulistana.

Segundo a reportagem, apenas 22% dos casos que chegam a Corregedoria são apurados, e alguns processos se arrastam por meses, e, às vezes, até por anos, dando margem à impunidade. Duas supostas vítimas de abusos cometidos por guardas municipais (pai e filho), foram entrevistadas, e uma cena de rua, em que GCMs tentam imobilizar um morador de rua foi exibida, entretanto, nenhum guarda, envolvido ou não nos casos mostrados, foi ouvido, apenas pesquisadores acadêmicos que estudam violência urbana e segurança pública, e o corregedor, sr.  Luis Augusto Gonçalves de Aguiar.

 

Em sua entrevista, Luis foi sucinto, mas muito firme ao afirmar que a Corregedoria não protege e nem compactua com excessos e más condutas, e que os processos seguem os ritos e ritmos normais, para que não se cometam injustiças, e nem se firam os princípios de presunção de inocência, princípios estes muito claros na Declaração dos Direitos Humanos.

 

A AGES, Associação de Guardas e Servidores do Estado de São Paulo, faz coro, em consonância com a declaração do Corregedor, tanto no que tange à não conivência com más condutas e excessos, quanto com os cuidados na apuração de cada caso, e acrescenta que houve falta de isenção na matéria exibida, pois não ouviu nenhum guarda, além de não fazer qualquer tipo de análise da sua perspectiva, de seu ponto de vista. Um GCM que venha a cometer qualquer tipo de abuso ou conduta questionável desonra e depõe contra toda a corporação, mas não há que se condenar toda a classe por causa dessa suposta minoria ou por sob suspeita a Corregedoria, que é a instância que deve apurar e punir estes supostos casos.

 

Portanto, a AGES vem por meio desta nota reforçar seu compromisso em defesa da Guarda, quanto instituição, do guarda e da guarda, quanto profissionais sérios, éticos e comprometidos com a segurança e bem-estar do povo da cidade de São Paulo!

 

Nós somos a AGES, e a AGES é você!

Leave Your Comment Here