Observações pertinentes, um debate importante
  • Home
  • /
  • Observações pertinentes, um debate importante

Observações pertinentes, um debate importante

Em 24 de outubro, o site de nossos co-irmãos do Sindguardas-SP divulgou a segunda parte do informe sobre a reunião que fizeram com a Secretaria Municipal de Segurança Urbana do dia 22 de outubro. A AGES-SP apoia a iniciativa de diálogo entre representantes de classe com a administração, e reitera sua posição de somar esforços em tudo que for em prol do/da guarda. Entretanto, baseado nas informações contidas no informe postado, nos sentimos na obrigação de fazer algumas observações:

Sobre a reestruturação da GCM, acreditamos que, a respeito de novas áreas de atuação das unidades e fixação do efetivo, é algo que envolve planejamento, efetivo suficiente, e condições de trabalho, já que unidades foram subtraídas, e a extensão a ser atendida aumentou. Além disso, tudo já está em prática, e para a população, importa mesmo ser bem atendida. Há de se ter clareza e critério, e não inverter as coisas, ou seja, implantar, para depois fazer estudo a respeito. Ao invés de apagar incêndios,sempre melhor evitá-los. Falando das extensões universitárias, o problema é que graduações e pós-graduações, são questionadas desde a implantação deste plano. Hoje há guardas com mais de nove pós-graduações, os critérios dos títulos mudam todo ano, e sempre houve questionamentos sobre isso. Todos os/as guardas querem promoção porque seus salários são muito baixos, e a promoção é uma forma de obter aumento, não tem a ver com sua graduação. Outro ponto discutido foi o CAT, mas o acidente de trabalho dá ao servidor todas as garantias. Por isso, as diferenças entre CAT e Licença Médica (LM). Entretanto, na primeira promoção na vigência desse plano de carreira, muitos/as GCMs foram prejudicados/as, mesmo em CAT. Temos de discutir de forma assertiva sobre os EPIs: faltam uniformes, pistolas, etc., e sobram promessas. A verdade é que nunca houve, na GCM, entrega de uniforme completo, de forma regular e periódica, e para todo o efetivo, e o mesmo ocorre com a rádio comunicação. O rádio nunca funciona de forma efetiva e completa.

Plano de Carreira

Muitos dos pontos levantados e comentados aqui, e que estiveram na pauta do Sindguardas e da SMSU, foram previstos em processo que foi arquivado no Ministério Público, em 2016. Na ocasião, 1200 guardas assinaram apoio ao processo, pedindo modificações no plano atual. Este movimento, à época, foi liderado, entre outros/as guardas, por nossa atual diretora-presidente Adriana Andreose, e já apontava os erros contidos no plano de carreira. Agora que há consenso de que o atual plano, além de cheio de anomalias, está longe do ideal e os/as GCMs desaprovam (veja nossa enquete neste link: http://www.ages-sp.org.br/index.php/resultados-da-enquete-realizada-com-a-guarda-civil-metropolitana-da-cidade-de-sao-paulo/), é que querem mudar? Ótimo! Desde que todos lembrem quem lutou para implementar este mesmo plano… desta mesma forma que é hoje… Mais uma vez, tenhamos clareza e responsabilidade! Este plano da forma como está não caiu do céu, enviado pela providência divina, e nem seguiu sendo insistentemente defendido por anjos e querubins do paraíso!

A quem ele serviu e quem se beneficiou dele é uma reflexão que cada GCM paulistano deve fazer…

Enfim, a partir da rediscussão do Plano de Carreira é que se pode falar sobre:

Concurso para reforço do efetivo: não vemos eficácia em fazê-lo neste momento, com este plano de carreira da forma como é, este salário, baixo como está, e sem condições de fornecer o básico, que é o uniforme e os EPIs. Falando ainda da questão salarial, para um pequeno exercício de comparação, veja o salário inicial da Guarda Municipal de Jundiaí, por exemplo, neste link: https://www.concursos.com.br/concursos/sudeste/sao-paulo/26265/prefeitura-de-jundiai-lanca-concurso-para-guarda-municipal.html?gclid=EAIaIQobChMIg5nC34al3gIVxgeRCh1pVAk7EAAYAiAAEgLsIvD_BwE

ou neste link: https://jundiai.sp.gov.br/noticias/2018/10/10/prefeitura-de-jundiai-lanca-edital-de-concurso-para-a-guarda-municipal/;

DEAC: deveria ser opção e não necessidade de sobrevivência. Veja também em nossa enquete, dados a respeito;

Promoções: guarda quer salário, poder de compra, e não poder de comando e divisa. Item também levantado em nossa enquete;

E, por fim, duas perguntas:

Como discutir sobre as bases, sem equipe de limpeza? Isso deveria ser obrigatório, já que o/a guarda se desvia de sua função para não ficar imerso na sujeira. Em especial as GCMs femininas, em uma demonstração de machismo institucional;

Como questionar problemas pertinentes à acidente de trabalho, se o sindicato não observa as bases que não tem CIPA?

No intuito de ajudar proativa e positivamente no debate, fizemos aqui estas observações, e nos colocamos à disposição para sua continuidade.

Nós somos a AGES, a AGES é você!

Leave Your Comment Here